21 de março de 2019

Impermeabilização do concreto: conheça a maneira correta de se fazer

Para evitar que as superfícies expostas à umidade sofram com infiltrações, deve ser realizada a impermeabilização do concreto. Conheça um pouco mais sobre essa técnica.

Para evitar infiltrações e outros problemas com umidade nas superfícies construídas com concreto, principalmente naquelas em que o concreto ficará aparente e exposto às intempéries, é fundamental realizar o processo de impermeabilização.

Por que impermeabilizar o concreto?
Ao evitar o desgaste causado pela água, a impermeabilização aumenta a vida útil da construção e confere mais segurança à obra. Além de evitar problemas estruturais no concreto, o processo impede a corrosão das armaduras.

Onde realizar a impermeabilização do concreto?

Paredes em locais pouco arejados e com fraca exposição ao sol podem precisar dessa técnica, assim como construções externas e telhados expostos às chuvas constantes. Construções abaixo do nível do solo e porões costumam ser mais úmidos e também merecem atenção especial.

Como preparar a superfície para a impermeabilização do concreto?

Para a aderência do impermeabilizante, é importante que a superfície esteja lisa e uniforme. Portanto, caso haja pequenas trincas e fissuras que tenham se formado no concreto, é importante preenchê-las com um selante.

Antes de aplicar o impermeabilizante, é importante nivelar e limpar bem a superfície. Foto: Shutterstock


Outra ação importante é a de limpar bem o concreto, eliminando pó, areia, resíduos de óleo, graxa, desmoldante e qualquer outro tipo de sujeira. Para isso, você pode usar uma escova de cerdas duras e um pouco de fosfato trissódico dissolvido em água. Essa substância é um pó branco vendido em lojas de materiais de construção e age como um poderoso limpador. Não se esqueça de deixar a superfície secar totalmente antes de iniciar a impermeabilização.

Como escolher e aplicar o impermeabilizante

Existem dois tipos básicos de impermeabilização. A rígida, feita com a inclusão de aditivos químicos e agregados, não funciona em conjunto com elementos estruturais, portanto não é indicada  para superfícies que possam variar muito de temperatura. Sendo assim, é ideal para piscinas enterradas ou galerias, por exemplo. Já a impermeabilização flexível é indicada para o oposto: varandas, coberturas, terraços, piscinas suspensas, pisos frios e lajes. Nesses casos, os materiais podem ser moldados no local (membranas) ou serem pré-fabricados (mantas). Esse sistema flexível é ideal para locais sujeitos à variação de temperatura, como varandas, coberturas, terraços, piscinas suspensas, pisos frios e lajes.

Ou seja, dependendo da superfície ou elemento a ser protegido, são usados tipos diferentes de sistemas. Conheça os principais:

Argamassa polimérica

Indicado para áreas frias e molhadas, poço de elevadores, piscinas, rodapés, reservatórios de água e subsolos.

Foto: imperbio


Emulsão acrílica

É ideal para superfícies expostas a chuvas e outros fenômenos naturais, como lajes, coberturas, paredes e marquises.

Foto: csvimpermeabilizacoes

 

Hidrorepelente

Foto: souzafilho

Repele a água e não altera a aparência. Ideal para superfícies minerais, como tijolo e concreto aparentes, fachadas de pedra, telha cerâmica e cerâmica porosa.

 

Manta asfáltica

Contém asfalto modificado com polímeros e é armada com estruturante. Ideal para lajes planas ou inclinadas, piscinas, floreiras, reservatórios de água e áreas frias.

Foto: wmaconstrucoesereformas

 

Tem mais alguma dúvida?

Deixe seu comentário aqui e compartilhe suas experiências conosco!


Deixe uma resposta

  • Veja Também

    Quer receber conteúdos/novidades
    gratuitamente
    no seu e-mail?